SÁBADO É DIA DE DIZER NÃO A ELE

Os trabalhadores brasileiros se encontram diante de uma séria ameaça: a possibilidade de que Jair Bolsonaro obtenha sucesso nas urnas em 2018. Como se não bastasse toda a intolerância demonstrada ao longo de quase três décadas de vida pública – embora, cinicamente, goste de se dizer avesso à política –, recentemente, o candidato deu apoio a todos as propostas de retirada de direitos e de precarização das condições de vida dos assalariados, como o congelamento de gastos, a terceirização e a reforma trabalhista, para ficar em apenas três exemplos.

Capitão reformado do Exército, Bolsonaro gosta de exibir seu apreço por um antigo colega de farda, Carlos Alberto Brilhante Ustra, um reconhecido torturador – a quem dedicou o voto favorável ao impedimento da então presidente Dilma Rousseff –, que se gabava das barbaridades cometidas contra opositores da ditadura a que serviu. Não à toa, para combater a violência Bolsonaro propõe mais violência, ao defender que o “cidadão de bem” – seja lá o que isso signifique – possa portar armas de fogo.

Também preocupa a agenda econômica defendida por aquele que o candidato chama de “posto Ipiranga” – o economista Paulo Guedes –, que, se levada à prática, fará dos ricos ainda mais ricos e dos pobres ainda mais pobres.

Esses são alguns dos motivos que levarão o Sitesemg à Praça 7 neste sábado, 29 de setembro. A concentração está marcada para o meio dia. Vamos?